Lançamento do livro 1 “Gerações de um Pernambuco Contemporâneo” – Rodrigo Braga, Dia 01/11/2019, às 19h, no MEPE. Com audiodescrição.

Post dividido na horizontal, na parte superior uma fotografia da mão de Rodrigo. Ela está voltada para à esquerda segurando uma colher de prata que tem o contorno do cabo decorado. O polegar e o indicador seguram próximo à parte côncava, que reflete a luz do dia, e os outros dedos tocam por baixo do cabo. Tanto a mão quanto a colher estão sujas de terra. Ao fundo, a terra escura remexida. Na parte inferior, em letras pretas sobre fundo branco, “GERAÇÃO DE UM PERNAMBUCO CONTEMPORÂNEO”. A letra “A” com o til e a letra “A” com o acento circunflexo foram suprimidas. Abaixo, em letras grandes, “RODRIGO BRAGA” e logo abaixo em letras pequenas, Lançamento do livro. 01 de novembro 2019,19h. Museu do Estado de Pernambuco -MEPE. Av, Rui Barbosa, 960 Graças, Recife-PE. No rodapé, realização: Fio Ações Contemporâneas, Apoio: COM Acessibilidade Comunicacional, a.60, Museu do Estado de Pernambuco. Incentivo: Funcultura, Fundarpe, Secretaria de Cultura e Governo do Estado de Pernambuco.
Convite: lançamento do livro da coleção “Gerações de um Pernambuco Contemporâneo”. Com audiodescrição e Libras. Dia 01 de Novembro, às 19h, no Museu do Estado. Av, Rui Barbosa, 960, Graças, no Recife. Esse primeiro volume é sobre o artista Rodrigo Braga. Na ocasião, será realizado uma mesa redonda com a participação da pesquisadora e professora Maria do Carmo Nino (PE); da pesquisadora e organizadora do livro, Rebeka Monita (PE); do professor e artista, Marcelo Coutinho (PB); e do artista, Rodrigo Braga.
Uma realização da Fio ações contemporâneas, com incentivo do Funcultura, Fundarpe, Governo do Estado de Pernambuco. E apoio da COM Acessibilidade Comunicacional.
Sobre Rodrigo Braga:

Nascido em Manaus em 1976, logo mudou-se para Recife, onde graduou-se em Artes Plásticas pela UFPE (2002). Atualmente vive entre Rio de Janeiro e Paris. Expondo desde 1999, em 2012 participou da 30ª Bienal Internacional de São Paulo; um ano depois exibiu a obra Tônus no Cinema do MoMA PS1 e, em 2016, realizou individual no Palais de Tokyo, Paris. Recebeu o Prêmio Marcantonio Vilaça – Funarte/MinC em 2009; em seguida o Prêmio Marc Ferrez de Fotografia. Em 2012 vence o Prêmio Pipa/MAM-RJ Voto Popular e, em 2013, ganha o Prêmio MASP Talento Emergente. Possui obras em acervos particulares e institucionais no Brasil e no exterior.